A engenharia do design

A engenharia do design

Crédito: Breakfast Studio

Você já pensou que esculturas, instalações e muitas outras obras de arte são montadas com pequenas peças? Isso mesmo. Porque nem tudo é esculpido a partir de um bloco de pedra ou metal. Mas, sim, construído com blocos como os do Lego.

E essas pequenas peças? Como são fabricadas? Antes de matar sua curiosidade, vamos contar de onde surgiu essa ideia. Como nossa equipe está sempre buscando coisas novas para mostrar aqui, descobrimos o Breakfast Studio. O Doug Monteiro, nosso CEO, trouxe a novidade. Nós fizemos um repost no Instagram e agora, vamos contar a história dessa casa que reúne grandes artistas.

Construindo as próprias peças

Três talentosos artistas e engenheiros multidisciplinares fundaram um espaço, em 2009, na área de Dumbo, no Brooklyn, Nova Iorque, para conceber e desenvolver novas tecnologias. E para quê? Para que eles mesmos, Andrew Zolty, Mattias Gunneras e Michael Lipton, por meio dessas inovações pudessem desenvolver um trabalho diferente.

O Breakfast Studio reúne a ideia desses três artistas que é explorar conteúdo on e off-line através de meios cinéticos (ligados ao movimento) e controlados digitalmente. Cada obra do estúdio traz um meio tecnológico criado por eles.

Eles são responsáveis por idealizar, projetar e realizar tudo – desde o design e a mecânica das peças, sistemas mecânicos e software até a engenharia das formas que criam.

Tijolos giratórios

Chamados de Brixels por seus criadores, essas peças foram projetadas para promover a construção e a montagem de instalações em larga escala. A base é de tijolos ou tijolos giratórios e azulejos que podem ser fabricados de várias formas, tamanhos e materiais, ou seja, personalizados.

Com essas peças é possível revestir paredes, fachadas, além de integrar grades e divisórias. Os co-fundadores do Breakfast acreditam que a versatilidade dos brixels sejam uma oportunidade de misturar arte, infraestrutura e uma tela digital em uma mesma obra.

Crédito: Breakfast Studio

As aparências enganam

Quando vistos de longe, os brixels parecem um display ou uma tela digital. Isso porque cada tijolo se comporta na instalação como se fosse um pixel. Consequentemente, como os pixels, eles são controlados por meio de um App que se comunica com a instalação.

 As obras, ao mesmo que mostram tecnologia e versatilidade, são experiências únicas para o público. Além disso, segundo os criadores, elas são fontes de informação relevante.

Brixel Mirror

Essa obra demonstra um pouco do potencial dos ladrilhos em uma estrutura de um metro e oitenta de altura. Feito de 540 brixels de alumínio polidos de um lado e pretos do outro, o Brixel Mirror é assim porque seus ladrilhos giram para imitar a posição das pessoas em frente a ele.

Complexo, não? Sim, mas o fato é que a instalação, como os artistas propõem, pode virar uma tela de exibição de textos ou promover movimentos ondulatórios, programados no aplicativo de um smartphone.   Essa obra ainda conta com uma borda inferior feita com LEDs para causar impacto, principalmente, à noite.

Do Brooklyn para o mundo

É claro que ideias tão inusitadas, geniais como as do Breakfast não poderiam ficar restritas a pequenos grupos. Desde que começaram a expor, os sócios vêm recebendo pedidos de projetos sob medida de marcas e instituições, como Museu de Design Cooper Hewitt Smithsonian, em Nova Iorque.

Veja aqui outras obras do Breakfast:

Aweken (2019)

Composto por 168 brixels, cada um com um lado espelhado e preto. A peça é uma exploração da interação humana com um meio robótico, com o meio expressando uma reação aos movimentos de uma pessoa através de brixels rotativos com luz acentuada. A peça pode ser usada como tela “desenhando” com a mão no ar.

Em exibição na Empires Stores no Brooklyn, Nova Iorque, até setembro de 2019.

Crédito: Breakfast Studio

Pool (2019)

A obra é uma exploração da interação das pessoas com água e máquinas. Os brixels individuais imitam coletivamente os momentos de uma superfície de água refletora. A escultura traduz os movimentos humanos acima e ao redor dela em ondulações na superfície.

Apresentada na Christie’s em Nova Iorque.

Crédito: Breakfast Studio

Brixel Mirror (2018)

Primeira peça criada pelo Studio Breakfast usando os brixels. A obra é uma exploração da criação de movimentos orgânicos a partir de formas e materiais orgânicos.

Crédito: Breakfast Studio

Quer saber mais? Clica nestes links:
www.breakfastny.com
www.dezeen.com

Quais são suas referências de design?

Conta para a gente nos comentários aqui embaixo.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 1